Tecendo ideias

Para entender o Natal e seus símbolos

Por: Rosely Sayão - Não se pode proibir a criança de acreditar em seres imaginários, entre eles o que aparece nessa data


 
Para entender o Natal e seus símbolos
Rosely Sayão

Não se pode proibir a criança de acreditar em seres imaginários, entre eles o que aparece nessa data

Pais de crianças pequenas escreveram levantando questões a respeito do Natal. Para uma mãe com dois filhos, com menos de cinco anos cada um, a questão é o Papai Noel: deixar ou não os filhos acreditarem que o personagem existe?
E, em suas reflexões, ela constrói um interessante diálogo consigo mesma em que argumenta a favor e contra a crença das crianças.
Termina, como ela mesma disse, num beco sem saída. Um pai encontra-se mais ou menos na mesma situação de nossa leitora -ou seja, sem saída-, mas por outro motivo ligado ao Natal. A família dele é religiosa praticante, e ele não sabe se deve ou não transmitir o significado religioso da data à filha -que tem quase cinco anos-, já que ele e a mulher decidiram deixar que a filha escolha, quando for a hora, se vai ou não seguir alguma religião, e qual delas. Em se tratando de religião, outra questão interessante surgiu: uma mãe cuja família de origem segue as tradições judaicas não sabe como se portar nessa data com os filhos pequenos.
Por fim, vários pais e várias mães comentam não saber como escapar do caráter consumista do evento. A poucos dias do Natal, essas são boas reflexões, não é mesmo?
O que primeiro salta à vista é a enorme dificuldade dos pais -e não apenas desses que enviaram as correspondências- de fazer escolhas quando a questão é a educação de seus filhos. O que constatamos é que muitos pais não querem se comprometer com suas decisões. Mas é exatamente disso que se constitui a educação familiar!
Além da função básica que os pais têm de ensinar o filho a se cuidar, a falar, a comer, a ir ao banheiro e a conviver, entre outras questões -o chamado processo de socialização primária-, eles devem passar aos filhos a identidade familiar. E isso, só os pais podem fazer. Se eles não o fizerem, os filhos ficarão um pouco órfãos de referências.
Vejamos o caso da religião. Se o casal professa uma, por que não introduzir o filho nessa tradição? Em geral, o argumento que os pais usam para não cobrar do filho a prática religiosa é o da liberdade: eles acreditam que o filho deve ter a opção de escolher por si, de direcionar ele mesmo sua vida. Ora, ocorre que liberdade é sempre liberdade de escolha. E, para escolher, é preciso ter mais de uma possibilidade, mais de uma opção. Se o filho não é introduzido na religião dos pais, fica sem uma das opções.
Além disso, para fazer certas escolhas é preciso maturidade. Uma criança não tem maturidade para escolher se quer ou não ter e praticar uma religião. Assim, ao optar por não passar aos filhos o sentido religioso do Natal, quando a família compartilha essa idéia, em vez de oferecer liberdade ao filho, os pais o deixam excluído da tradição familiar.
Do mesmo modo, quando a família segue outras tradições religiosas -o caso das famílias judaicas, por exemplo-, basta assumir isso com os filhos. Conheço casos de famílias que optaram por entender as festividades natalinas como eventos da cultura do país.
Afinal, o Brasil é um país que se reconhece como cristão. Assim, é possível contar às crianças a história do aniversário de uma figura que é reverenciada e até realizar uma festa em sua homenagem, caso queiram.
Ou então, não fazer nada. Basta a postura comprometida dos pais para que os filhos a respeitem.
E o Papai Noel com seus presentes? O mundo da criança pequena é rico porque tem muito de imaginário. Não se pode proibir a criança de acreditar em seres imaginários, entre eles o que aparece nessa data. E os presentes, e a sede de consumo? Bem, para que os filhos não cultuem o consumismo nessa data, é preciso que os pais não o façam. Eles podem se frustrar ao não receber tantos presentes? Claro que sim. Isso é prejudicial ao desenvolvimento deles? Claro que não!
Um bom Natal e um Ano Novo melhor para todos nós!

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/equilibrio/eq1612200416.htm


Artigos, notícias, entrevistas e poesias


Qual a hora certa de abordar sobre educação digital com as crianças?

Por Helena Mendonça – Nethics Educação Digital

18/06/2018 - Artigo

Estou aprendendo a não reagir a tudo que me incomoda

Eu estou aprendendo que não preciso machucar de volta quem me machucou.

11/06/2018 - Artigo

Reconhecimento: chave da autoestima e da dignidade

Todos nós precisamos de reconhecimento...

04/06/2018 - Artigo

Amizades virtuais podem ser saudáveis?

Para muitos pais e responsáveis, a hipótese de seus filhos estabelecerem amizades virtuais na internet é causa de preocupação...

30/05/2018 - Artigo

Você tem o direito de mudar de opinião, você tem o direito de crescer

Mudar de opinião em um determinado momento não é abandonar quem somos.

21/05/2018 - Artigo

Como desenvolver a confiança das crianças com o Youtube

O incentivo de aprender novas habilidades com o auxílio do Youtube tem apresentado inúmeros benefícios, dentre os quais está o amadurecimento comportamental e intelectual de crianças e jovens e sua autoconfiança.

14/05/2018 - Artigo

Quanto mais carinho você recebeu dos seus pais, mais atraente você se considera.

Por Felipe Germano Você se sente um Cauã Reymond? Uma Bruna Marquezine? Deve ser por que sua mãe te amou muito.

07/05/2018 - Matéria Jornalística

Como a inteligência cognitiva vai mudar o mundo

Todo mundo está falando sobre inteligência artificial, também conhecida em sua forma abreviada.

02/05/2018 - Artigo

POR QUE SEU FILHO DEVE ESTUDAR INGLÊS?

Aprender inglês é uma das experiências mais incríveis existentes...

23/04/2018 - Matéria Jornalística

Agenda Veja mais+

21  JUL DIP - Dia de Informação Profissional

21  JUL Encontro de Gerações - 6° ano EF

Alunos do 6° ano e familiares | Leia+

21  JUL Encontro de Gerações - 6° ano EF

Avós dos alunos do 6º ano | Leia+

23  JUL Entrega do Instrumento de Avaliação - G3

24  JUL Entrega do Instrumento de Avaliação - G4